sábado, 17 de abril de 2010

Praia da Leirosa ou tanta nostalgia


Muito mais chorarei
Pelo que não te tenha amado
Deu-me a vida tudo o que sei
Vivi sempre desenganado.

Deste-me o sol quente e duro
O fresco das tuas noites que se sente
O molhe que me recebe frio e puro
Que me fala do meu amor ausente.

Leirosa, praia da minha paixão
Onde ela o seu amor deixou
Enterrou na areia o coração
Quando o mar me sepultou.

Um comentário:

Mário disse...

Leirosa do meu coração. A saudade que tenho mede-se na distancia a que estou.