sábado, 22 de setembro de 2018

AFONSO LOPES VIEIRA


Chegou entre os solavancos de ventos marítimos junto a Foz do Douro, toma um café e vai de encontro à cidade de Palumbar, ali, junto à homenagem ao popular "cabeleira" respira fundo, sorri, e sente que vai valer o esforço.

Olha o castelo, depois o céu, virou-se para olhar o Santo Amaro, depois ao contrário num enquadramento perfeito quase talhado à medida, segredou-se:

Será que o encontro no café ali junto ao coreto.

Estes eram os seus primeiros pensamentos para o encontro ou a noção do tempo que passou, olha a velha árvore dos poemas e caminha na incerteza do que podia encontrar, o tempo tem esse ritmo, oferece-nos uma inesgotável capacidade para a ilusão e para a surpresa.

Entrou no Bold, olhou à sua volta e viu que tudo estava na mesma, apenas os meses passaram, escolheu a mesa no recanto das boas memórias e, pediu um vinho.

As histórias começam sempre assim.

Em dia de Santo Amaro que não é santo como nos explicava o Pároco Diamantino, as vontades acontecem naturalmente, adiante.

Tirou o tablet e abriu o facebook, procurou a sua última companhia naquela mesa, encontrou, percorreu o que podia ver e ler e percebeu que a vida se faz vivendo, sem espaço para amor escravo, mas sim, de encantamentos de dobra de esquina que enchem a alma do melhor aroma da maresia e cheiros de lavanda, abriu a caixa de mensagens e escreveu:

Estou em Pombal, olá, dei uma olhada no teu Facebook e decido escrever, venho de propósito, estás surpreendido?, tenho de te escrever depois destes meses todos porque decidi revelar-te a minha tristeza.

Não vais ficar chateado comigo? Esta mesa onde estou sentada sabe do tanto que aqui conversamos, mas, preciso de desabafar, revelar, sem julgamentos.

Estou apaixonada!!! Sempre estive apaixonada, até escrever isto é estranho.

Tenho vivido com este sentimento, é horrível! Tira-me o sono, a fome, só penso em ti!!!, eu vivo a fingir, só existo, eu só quero que isto termine e que me entendas.

Foi errado, desprezei as consequências, desculpa.

Apareço depois destes meses para te falar de um devaneio florido em que caí e não soube em tempo oportuno lavar-me dele sem te perder, nunca me perdestes, vem ter comigo, sem complexos, tu és o meu porto de abrigo onde sempre estive abrigada, beijo.

E aconteceu uma quebra de energia no café do jardim.

quinta-feira, 7 de junho de 2018

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Banho de mar


Foi deixando que o mar na rebentação lhe fosse molhando os pés, chegou a um ponto, que, olhando o horizonte, percebeu com clareza que o seu coração está certo e que os seus desejos conjugaveis não se enganaram.

Assim, veio até mim de braços abertos sabendo que não lhe restava outro consolo que aceitar todos os cheiros das planícies, todos os carinhos, todos os beijos, os sabores e o cantar dos grilos.

Depois tomou um banho de mar, vestiu um blusão cinza e regressou à sua terra.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

É triste demais


Rodrigo e Carmosa cresceram nas ruas de São Pedro de Moel, a moradia dele tinha as janelas pintadas de verde e as janelas dela eram vermelhas.

A vida levou Rodrigo para Coimbra e Carmosa partiu para Évora como estudantes universitarios, depois, para concluirem os seus mestrados a coicidencia marcou o seu reencontro em Krakovia.
Numa festa de universitarios, os dois, uniram-se á saudade da praia e sairam pelas ruas dos santos gigantes, ao dobrar a catedral do cornetim juntaram as mãos, e assim, caminharam até junto do dormitório.

As histórias começam sempre assim.

Entraram no espaço de uma cama larga e cairam em silencio sobre o edredon carregados de energia, Rodrigo, colocou os lábios na testa de Carmosa e depois na sua face esquerda, a seguir, ajeitou-lhe o cabelo e empurrou a cabeça ligeiramente para trás, percorrendo-lhe o pescoço com as pontas dos dedos e dos lábios.

Carmosa soltou um profundo suspiro, agarrou suavemente a cabeça de Rodrigo e perguntou: Falta muito para fazer amor.

Krakovia tem muitas imagens de santos que não cabem nas pequenas capelas, e os apaixonados daquela noite seguiram vidas diferentes.

Trinta anos depois, Carmosa que se instalou em Sines, descobriu rodrigo em Driburg na Alemanha atraves do Facebook, e escreveu-lhe:

OLÁ!!!
O que eu te procurei, sempre que vou a S. Pedro pergunto por ti, já tava desesperada por noticias tuas, como vais?, trinta anos, tanto tempo sem dar noticias, nunca desisti de te contactar pelos emails que me davam, mandei para todos os teus endereços a que fui tendo acesso, agora consegui uma resposta tua pelo face.

A nossa mata foi-se, já chorei muito, não consigo olhar para aquelas imagens, nunca mais vamos ver o Vale dos Pirilampos como era.

É TRISTE DEMAIS.

domingo, 23 de abril de 2017

Aragem




Abalei incógnito a coberto do arvoredo e da bruma fresca a fazer lembrar as madrugadas na Alsácia, embriagado de copos de vida, pressenti que o vento te tocava na saia, logo ali, junto à velha árvore das flores amarelas da tua infância, sim, eras tu, e desejavas outro abraço a fazer lembrar o Caravela.

Cheguei sem rosas, sem amarras, delirando frases celestiais adivinhando novos encantamentos.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Vidro Duplo



 
A tua cama é larga o suficiente e tu só utilizas metade.

A tua cama tem uma metade que não aquece e por via disso a almofada dessa metade não arquiva sonhos.

Estamos no Outono, ao acordares, olha por cima desse vazio a janela de vidro duplo e repara como os pingos de chuva que correm vidraça abaixo o fazem lentamente, podem ser lágrimas da minha ausência.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Cotovia


Caminhas para o quarto a desejar que amanhã o dia será soalheiro, será diferente, vais acordar e ouvir o doce cantar da cotovia, levantarás os estores, e os raios do sol aninham-se no teu corpo como beijos a lembrar os meus lábios, abres a janela e vais ver no céu azul desenhos oníricos e receberás o aroma inebriante da rosa que desabrochada oferece-te a beleza e o esplendor do que vai ser teu dia.

Pode ser um sonho de primavera, um sonho de amor!

Hoje a graciosidade da natureza, amanhã, sou eu que quero ser o teu dia.