quinta-feira, 28 de abril de 2011

De azul como os teus olhos...

O sol o vento e o teu andar
A areia o azul e o casario
Vais pensante junto ao mar
Na vida que de água seria um rio.

Olha como o mar te molha os pés
Meu amor de olhos azuis mais antigo
Continua mãe a ser quem és
Porque o mar é o teu melhor amigo.

Minha mãe de avental e boa alegria
Aqui onde sonhar o sonho sou eu
Caminha por este fresco de maresia
Onde a tristeza dos teus olhos, morreu.

4 comentários:

Nadine disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
oteudoceolhar disse...

Pronto...vem uma pessoa de coração enternecido e emocionado para dizer alguma coisa marcante e lê o comentário anterior...por acaso n tem uma colher de pau pa dar umas palmadas a essa miúda?
Perdoa Juda, mas é que a rabina é mesmo, rabina...e eu vinha mesmo como disse, mas acabo a rir pelo instinto de "malvadez" dela.
Bem ...
Mãe é mãe e não há amor maior ... dúvido por vezes se maior é o amor de uma mãe por um filho se de um filho por uma mãe... é um sentir imensamente grande, ainda para mais quando a nossa vida é vivida unicamente com ela ... infância adolescencia e crueldade que é seguir para adulto.
AMEI...a avó Pinto a passear descalça pela praia :)...Lindos são os seus olhos sem dúvida, como lindo e grande será o seu coração e sabedoreia de cada ruga (desanuviando = causados por uma neta tã "malina").
Fico por aqui senão sobra para mim.
Beijo n´oteudoceolhar *

flor de jasmim disse...

Lindo este poema cheio de palavras de um grande amor sentido. Sou mãe de duas filhotas, avó de três netinhos, sei o que é amar,amar, sempre a amar. Tenho mãe mas infelizmente nunca senti o amor dela, mas ela sente o meu como filha.
Abraço

panelinha da neiva disse...

amar é mesmo assim.de diferentes maneiras amamos e mesmo quando não parece amor,descobrimos amar ainda mais.ele por vezes é cruel e egoísta
mas nunca menos amor.